Conheça alguns modelos de Governança de TI

Mais do que sistemas informatizados, empresas de todo o mundo têm ambientes de TI compostos por vários elementos, como softwares, servidores, computadores e redes. Diante desse cenário complexo, modelos de governança de TI vêm se tornando cada vez mais importantes. Esses profissionais estabelecem políticas e regras para a infraestrutura da empresa e diminuem os riscos do negócio. 

Os modelos de Governança de TI

Antes de o especialista escolher o modelo mais adequado para a empresa, ele precisa seguir alguns passos: avaliar todo o ambiente de TI da empresa, identificar itens e processos, documentar informações, além de consolidar seu projeto com referências e práticas e, depois, apresentá-lo para um público estratégico dentro da empresa. Conheça, a seguir, alguns modelos de destaque na área.

COBIT

O COBIT (Control Objectives for Information and Related Technology) é um dos modelos mais importantes voltados para a governança de TI, pois ele facilita o controle e auxilia no gerenciamento do uso de tecnologia nas corporações. Desde sua criação, ele vem evoluindo com a incorporação de novos padrões técnicos, profissionais e regulatórios.

O objetivo é permitir que as empresas possam gerenciar de forma eficiente os investimentos em tecnologia, maximizando seus benefícios, oportunidades de negócio e vantagens competitivas no mercado. Para aplicar essa metodologia, é preciso focar em quatro domínios: planejamento e organização, aquisição e implementação, entrega e suporte, monitoramento e avaliação.

Val IT

O Val IT (Value of Information Technology) foi criado com o objetivo de ajudar os gestores a garantir que as empresas obtenham o máximo no retorno dos seus investimentos (ROI) em TI. É possível dizer que esse modelo é um complemento ao COBIT, pois ambos formam um ciclo completo de Governança de TI. A aplicação desse modelo está dividida em três domínios: governança de valor, gerenciamento de portfólio e gerenciamento de investimento.

ISO/IEC 38500

Regulamentada pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), essa norma fornece algumas recomendações e princípios para a governança corporativa de TI. Além de listar boas práticas, apresenta técnicas para gerenciar, monitorar e avaliar o ambiente de TI das empresas. 

Apesar de não ser objeto de certificação para os profissionais da área, traz conceitos muito relevantes para a governança de TI. É possível aplicar a norma em empresas públicas ou privadas e dos mais diversos portes. São seis os princípios para gestores sobre o uso eficaz, eficiente e aceitável da TI dentro das empresas: responsabilidade, estratégia, aquisição, desempenho, conformidade e comportamento humano.

CMMI

O CMMI (Capability Maturity Model Integration) é formado por um conjunto de práticas importantes para a obtenção de processos eficazes e a melhoria no desempenho no ambiente de TI. Para entender melhor o que é esse modelo, é preciso saber que existem três modelos diferentes atualmente: 

  • CMMI for Development (CMMI-DEV): demonstra as melhores práticas para o desenvolvimento de produtos e serviços
  • CMMI for Acquisition (CMMI-ACQ): explica as melhores formas de adquirir os melhores produtos e serviços
  • CMMI for Services (CMMI-SVC): voltado para que as empresas possam entregar os melhores serviços

E aí, tem interesse em saber mais sobre os modelos de governança de TI? O curso de Governança de Tecnologia da Informação garante que você desenvolva as habilidades de gestão necessárias para aplicar esses e muitos outros modelos disponíveis. Dessa forma, é possível diminuir riscos, oferecer soluções estratégicas e implantar inovações no ambiente de TI de qualquer negócio. Saiba mais sobre o curso oferecido pela Católica EAD.

 

Tópicos: Governança de TI

Católica EAD

Escrito por Alessandra Melo

Posts Recentes