leia

O mercado, a falta de profissionais e o engenheiro de software

Por Alessandra Mello

O mercado de trabalho em Engenharia de Software, assim como é regra geral na área de tecnologia, está aquecido e tende a permanecer assim. Neste sentido, as demandas são tão intensas e exigentes que faltam profissionais para preencher todas as vagas.

A incorporação, cada vez mais intensa, de tecnologias nas estratégias de mercado e automatização de processos exige um novo perfil profissional. Habilidades técnicas devem vir acompanhadas de competências em gestão de projetos, foco em resultados e visão de mercado.

Entenda melhor o porquê da escassez de profissionais e o que anda acontecendo no mercado de trabalho em Engenharia de Software. Conheça, também, as vantagens de investir nessa especialização. Confira!

engn de softwere

 

Onde estão os profissionais de tecnologia?

Já há alguns anos, o mercado sofre um processo de digitalização no qual as tecnologias informatizadas agilizam e automatizam a execução das mais diversas tarefas. Essa tendência não apenas permanece como intensifica-se aumentando a demanda por profissionais do ramo.

Uma pesquisa do MIT indicou que apenas 10% das empresas conseguem atrair os profissionais que precisam para realizar essa transição tecnológica. Uma das barreiras, que afeta principalmente as pequenas empresas, é a valorização dos especialistas. Entre 2016 e 2017, eles tiveram 7% de aumento salarial.

A maior dificuldade, no entanto, está em encontrar talentos que ofereçam habilidades técnicas e gerenciais simultaneamente. Afinal, a expectativa das empresas é utilizar as tecnologias digitais e da informação como estratégia de mercado. Exigindo que o profissional seja um bom gestor tanto de recursos e pessoas quanto de técnicas e processos.

Como anda o mercado de trabalho em Engenharia de Software?

A pesquisa anual da Associação Brasileira das Empresas de Software indicou o Brasil como o 9º maior mercado de software em 2016. Neste ano, o país movimentou internamente 19 bilhões de dólares e registrou mais de 15 mil empresas atuantes no setor.

O mesmo levantamento apontou que os nichos mais relevantes do mercado de trabalho em Engenharia de Software tendem a permanecer aquecidos nos próximos anos. São eles o ramo de aplicativos para celular, desenvolvimento, infraestrutura e segurança digital.

E é nos setores de telefonia e finanças que os serviços do profissional são mais solicitados. Considerando, ainda, o aumento de investimentos previstos para intensificar a transformação digital, o engenheiro de software encontra um mercado bastante aquecido e promissor.

Por que fazer pós-graduação em Engenharia de Software EAD?

Baixa oferta e alta demanda é a oportunidade que todo profissional deseja, porém é preciso saber aproveitá-la. A pós-graduação em Engenharia de Software é um ótimo caminho para os profissionais da tecnologia conquistarem uma posição nesse mercado.

O curso desenvolve habilidades técnicas na área de desenvolvimento de softwares, além de incrementar a formação com habilidades em gestão. A Engenharia de Software em EAD ainda reduz os custos de investimento na formação sem diminuir os retornos provenientes da especialização.

A média salarial de um engenheiro de software é de R$ 6.903,00, podendo ultrapassar os R$ 20 mil em cargos mais elevados. Assim, o profissional adquire uma especialização rápida e eficaz, oferece ao mercado exatamente o que ele deseja e dá um salto na carreira.

Saiba mais sobre a pós-graduação em Engenharia de Software EAD da Universidade Católica de Brasília e as oportunidades que ela oferece a sua carreira. Faça o download do e-book!

Clique aqui e baixe o seu e-book!

Leia também: Engenharia de software: 3 razões para começar a especialização agora!

Tags: Engenharia de Software

Receba os melhores conteúdos no seu e-mail!